Notícias do vestibular

DÓLAR FECHA ABAIXO DE R$ 1,70 PELA PRIMEIRA VEZ EM QUATRO MESES
Moeda norte-americana recuou 0,39%, vendida a R$ 1,6988. Intervenção do BC não conteve queda desta terça-feira.
O dólar comercial fechou em queda pelo terceiro dia seguido nesta terça-feira (28) e cotado abaixo de R$ 1,70 pela primeira vez desde outubro do ano passado, acompanhando a fraqueza da moeda no cenário externo e a despeito de nova intervenção do Banco Central para tentar conter a queda da cotação.

A moeda norte-americana recuou 0,39% e fechou cotada a R$ 1,6988 para venda. Este é o menor patamar desde o dia 28 de outubro do ano passado, quando encerrou vendido a R$ 1,6844.

Em fevereiro, até o momento, a moeda dos EUA tem queda acumulada de 2,76%. No ano, o dólar está 9,08% mais barato em relação ao real.
As operações domésticas acompanharam a fraqueza da moeda no cenário externo, após dados mais fortes que o esperado sobre a confiança do consumidor dos Estados Unidos.

Dados mostraram que a confiança do consumidor norte-americano subiu em fevereiro para uma máxima em um ano, a 70,8, com o otimismo em relação ao mercado de trabalho ofuscando preocupações com a alta nos preços da gasolina, de acordo com pesquisa do Conference Board.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o índice subisse a 63,0.
O dado reforçou visões de que a maior economia do mundo está resistindo aos efeitos negativos da crise de dívida na zona do euro, o que alivia preocupações com a performance da economia global.

O maior apetite por risco derrubava o dólar ante uma cesta de divisas, enquanto o euro subia, também amparado por expectativas positivas de que o Banco Central Europeu (BCE) injete cerca de meio trilhão de euros no sistema financeiro na quarta-feira.

"A liquidez lá fora está grande, e isso explica a queda do dólar aqui e as atuações do BC", disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora de Câmbio, Reginaldo Galhardo.

Banco Central
Em seu quinto dia seguido de atuação, o BC comprou novamente dólares no mercado à vista nesta terça-feira, com taxa de corte de R$ 1,7029.
"O BC quer mostrar ao mercado que está presente e vai continuar atuando enquanto julgar prudente", acrescentou, lembrando que o Brasil tem recebido grandes volumes de dólares do exterior.

Em coletiva para comentar o resultado primário do governo central referente ao mês de janeiro, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse nesta terça-feira que existe a possibilidade de o Fundo Soberano do Brasil ser usado no mercado de câmbio para evitar mais valorizações do real frente ao dólar.

Segundo ele, o Fundo está totalmente pronto para ser usado no mercado, mas até o momento não trabalhava com essa hipótese e que a política de compra de dólares continuava a cargo do BC.

Desde quando retomou as intervenções, no início do mês, o BC tem adquirido dólares também nos mercados futuro e a termo.

O BC divulgará na quarta-feira os números atualizados sobre o fluxo cambial do mês até a última sexta-feira, bem como as aquisições de moeda no período. Nas três primeiras semanas de fevereiro, o saldo cambial foi positivo em US$ 6,520 bilhões.

Fonte: G1/Economia