Profissões

ENGENHARIA MECATRÔNICA
Engenharia mecatrônica mistura eletrônica, mecânica e computação.
Segundo profissionais da área, mercado de trabalho é promissor. Para se dar bem, é preciso gostar de física e matemática.

Destruir brinquedos apenas para descobrir como funciona o mecanismo que faz o carrinho andar, a boneca falar ou a tela do jogo acender, pode ser um sinal de que a criança tem vocação para ser um engenheiro mecatrônico no futuro.

“As três áreas permitem a criação de sistemas que funcionam melhor do que se elas fossem usadas individualmente”, afirma o professor Edson Paulo da Silva, coordenador do curso de mecatrônica da Universidade de Brasília (UnB). As máquinas (chamadas de  robôs) que ajudam a montar carros na linha de produção de uma montadora automobilística são equipamentos de tecnologia mecatrônica. Os caixas eletrônicos dos bancos também

Um profissional da área pode atuar na projeção, gerenciamento e manutenção de processos e produtos mecatrônicos que existem em diversos tipos de indústrias como a automobilística, a aeronáutica e as de alimentos e bebidas.

É possível também abrir sua própria empresa e criar novos dispositivos e equipamentos com tecnologia mecatrônica. “Podemos pegar um sistema mecânico e elétrico e colocar um software. Uma máquina de lavar, por exemplo, poderia ter opções específicas que o dono programaria para lavar uma certa roupa”, explica Glauco Caurin, coordenador do curso da Universidade de São Paulo (USP), no campus de São Carlos.



Mercado de trabalho

 
A área de atuação é ampla e a demanda por empregos, crescente, garantem profissionais da área. Segundo Jaques Sherique, vice-presidente do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), não há, no país, um número suficiente de profissionais capacitados para atender a demanda por vagas. “É a grande nova engenharia. Tem um mercado de trabalho promissor porque o volume de produção automatizada tem que ser intensificado para o país poder competir com o mercado internacional”, disse.

Não há dados sobre número de engenheiros mecatrônicos no país, nem sobre a média salarial da categoria. Segundo o Confea, um engenheiro de qualquer área deve receber pelo menos seis salários mínimos (R$ 2.100, em valores atuais) para trabalhar seis horas.

Curso

Há 16 cursos de engenharia mecatrônica no país, segundo dados do Ministério da Educação (MEC). A graduação tem duração de cinco anos como as demais engenharias. Os primeiros períodos são dedicados a um ciclo básico da formação com disciplinas como cálculo, física, química e computação.

De acordo com os docentes, é essencial que o estudante goste de física, matemática e computação para poder se dar bem nas aulas e até mesmo na profissão. Na parte profissional, os estudantes terão contato com matérias como automação da manufatura eletrônica, mecânica, tecnologia de fabricação, entre outras. Em algumas disciplinas, eles aprendem a fazer produtos mecatrônicos e testam suas invenções em competições entre colegas e também entre outras universidades em âmbito nacional. Os projetos vão desde carrinhos de controle remoto com softwares até robôs.

O curso conta ainda com um estágio obrigatório de 160 horas e, no final dos cinco anos, o estudante tem que fazer uma monografia para poder concluir a graduação.

Agroindústria

Projetar e construir equipamentos para manejar a terra (agricultura ou pecuária) e processar industrialmente os produtos.
CAD/CAM (Computer Aided Design/Computer Aided Manifacturing)

Utilizar máquinas programadas por computador para fabricar peças mecânicas.
Projetar essas peças e abastecer o equipamento com os dados necessários à produção.


CIM (Computer Integrated Manufacturing)

Instalar sistemas computadorizados para controle de produção ou automação industrial.

Instrumentação industrial

Construir e acionar sensores para máquinas inteligentes.

Mecânica

Desenvolver equipamentos para uso em linhas de produção automatizadas. Manter e controlar a qualidade das máquinas industriais.

Robótica

Projetar e programar robôs industriais capazes de tomar decisões durante o processo de fabricação, ao contrário das máquinas convencionais, que só realizam movimentos preestabelecidos.

Fonte: Globo.com