Profissões

ARQUEOLOGIA
Proteger sítios arqueológicos e áreas tombadas pela União, impedindo desmatamentos, escavações clandestinas e poluição de rios.
É a ciência que estuda as sociedades humanas por meio de objetos que foram produzidos e utilizados no passado. O arqueólogo explora e analisa materiais encontrados embaixo da terra para estudar a sociedade e as características que ajudaram a constituir as sociedades que conhecemos hoje. Com seu conhecimento de história e um olhar analítico, esse profissional tem condições de pesquisar e descobrir como foi feita a ocupação humana no passado por meio da observação e análise de marcas espalhadas pelo território, como a composição do solo e a coloração da terra. Com base nessa análise é que, com uma equipe multidisciplinar, o arqueólogo decide se há necessidade de fazer ou não escavações no local. Esse profissional pode trabalhar em centros de pesquisas, geralmente os de universidades, e também tem a possibilidade de atuar como consultor na elaboração de relatórios de sítios arqueológicos. Isso porque, desde 1996, existe uma lei do Conselho Nacional do Meio Ambiente estabelecendo que obras de grande repercussão, como a abertura de estradas, a construção de represas, pontes e ferroviais, a instalação de oleodutos, hidreléticas e gasodutos, tenham um relatório que determine as características arqueológicas do local. Assim também deve ser feito o Relatório de Impactos Ambientais, outra atribuição possível a esse profissional.

O mercado de trabalho
A Arqueologia é uma profissão em expansão no mercado de trabalho, embora seja recente como graduação no Brasil: a primeira turma formou-se em 2008. A procura pelo profissional é maior para atuar em projetos de identificação e resgate de patrimônio arqueológico, em áreas de impacto ambiental e para avaliar a instalação de grandes empreendimentos em regiões que possam abrigar sítios arqueológicos. O egresso pode prestar esse tipo de serviço como autônomo ou associando-se a escritórios. "A lei que determina o levantamento de possíveis bens arqueológicos em obras é federal. A tendência é que nos próximos anos haja leis estaduais e municipais, o que aquecerá ainda mais o mercado para o arqueólogo", diz Sibele Aparecida Viana, coordenadora da graduação da PUC Goiás. Além disso, há campo de trabalho em educação patrimonial, em museus e casas de cultura, ou para atuar como pesquisador. E, embora a profissão não seja regulamentada, alguns concursos públicos, como o do Ministério Público da União, já oferecem vagas. Universidades e institutos de pesquisa são boas opções para os mestres e doutores.

Salário inicial:
a partir de R$ 3.000,00 (fonte: profa. Sibeli Aparecida Viana, da PUC Goiás).
O curso

Durante o curso, o aluno estuda uma série de disciplinas específicas da área, como pré-história, história da sociedade brasileira, cartografia, educação ambiental, geologia, sociedades indígenas, zooarqueologia e museologia. Entre as matérias mais teóricas estão sociologia, filosofia, língua portuguesa, antropologia, biologia, geografia e estatística. Grande parte da grade curricular desse curso é dedicada ao estudo de disciplinas práticas. Elas são realizadas desde o primeiro ano em parques naturais, sítios arqueológicos ou locais onde os alunos possam estudar os elementos que compõem uma determinada sociedade e saber as intervenções sofridas com o passar do tempo. Parte da carga horária pode ser cumprida nos laboratórios de documentação e acervos e preservação e restauro.

Duração média: quatro anos. Outro nome: Arqueologia e Conservação de Arte Rupestre.

O que você pode fazer:

Pesquisa
Atuar em centros de pesquisa ou laboratórios instalados nas universidades ou em institutos de arqueologia, estudando materiais recolhidos em campo e elaborando relatórios arqueológicos.

Consultoria
Prestar assessoria e consultoria a empresas públicas e privadas para definir as características da ocupação em locais predeterminados e fazer relatórios arqueológicos e ambientais.

Exploração
Atuar em campo, determinando a necessidade de escavação e recolhendo materiais necessários para estudo e pesquisa.

Educacão
Promover atividades para preservação de recursos patrimoniais e de turismo cultural. Atuar em feiras de divulgação científica, museus e unidades de conservação.

Fonte: Guia do Estudante